Início Ação TJ-BA acata denúncia e torna réu advogado que matou namorada no Rio...

TJ-BA acata denúncia e torna réu advogado que matou namorada no Rio Vermelho

TJ-BA acata decisão do Ministério Público de torna réu advogado que matou namorada - Foto: Reprodução

O advogado José Luiz Britto Meira Júnior se tornou réu do homicídio contra a namorada, Kézia Stefany da Silva Ribeiro, de 21 anos, em Salvador. A decisão veio após o Tribunal de Justiça do Estado da Bahia (TJ-BA) acatar a denúncia do Ministério Público do Estado (MP-BA).

No processo, o investigado é indiciado por homicídio duplamente qualificado, agravado pelo fato da vítima ter sido morta por ser mulher e motivo fútil. Nesta sexta-feira, 26, ele segue detido no Batalhão de Choque da Polícia Militar, na cidade de Lauro de Freitas, região metropolitana.

Segundo informações do caso, o crime ocorreu na madrugada do dia 17 de outubro, dentro do apartamento do investigado, no bairro do Rio Vermelho. Os dois estavam em um relacionamento havia dois anos. Depois de atirar contra o jovem, ele levou o corpo dela para o Hospital Geral do Estado (HGE) e em seguida fugiu.

A TV Bahia, teve acesso aos documentos enviados à justiça. Neles, o MP-BA, a Polícia Civil e o Departamento de Polícia Técnica anexaram alguns documentos, imagens e depoimentos de testemunhas presentes no dia.

Entre as imagens presente no processo, estão fotos capturadas pela câmera de segurança do prédio. Nelas é possível ver o José Luiz arrastando o corpo de Kézia, depois de ter efetuado os disparos contra ela. Além de constar fotos do corpo da jovem feito durante o processo de necropsia.

No relatório final que está anexado a certidão de óbito de Kézia, que indica que a causa da morte foi traumatismo raquimedular por projétil por arma de fogo, o que significa que a bala entrou pela boca da vítima e causou uma lesão na coluna vertebral.

Leia também

Compartilhe agora:
Artigo anteriorDeputado do PT cria projeto que pode onerar o estado da Bahia em R$ 30 milhões
Próximo artigoGoverno decide prorrogar decreto que libera eventos com até 3 mil pessoas