Início Política Médico acusado de matar colega de profissão passa por audiência em Feira...

Médico acusado de matar colega de profissão passa por audiência em Feira de Santana

Geraldo Freitas Junior, suspeito de matar Andrade Lopes, na chegada para audiência - Foto: Bruna Evangelho

Nesta sexta-feira, o ex-médico Geraldo Freitas Junior, investigado por matar o colega de profissão Andrade Lopes Santana, passa por audiência após quatro meses de prisão preventiva. A sessão acontecerá na cidade de Feira de Santana, cerca de 100 km de Salvador.

De acordo com informações, a audiência que começou por volta das 9h, definirá se Geraldo vai ou não a júri popular. Testemunhas e o investigado estão sendo ouvidos desde então. Ainda não há previsão de quando a sessão, que é realizada de portas fechada, vai ser encerrada.

A vítima, conhecida como Andrade Lopes de Santana, tinha 32 anos, era natural do Acre, mas morava e trabalhava na cidade de Araci, interior da Bahia. Ele desapareceu no dia 24 de maio, quando saiu com destino a Feira de Santana, cidade cerca 105 km de Araci.

Foto: Redes Sociais

No entanto, o corpo do rapaz só foi encontrado quatro dias após o desaparecimento, no Rio Jacuípe, que fica na cidade de São Gonçalo dos Campos, na mesma região. Andrade foi morto de costas, com um tiro na nuca. Uma âncora foi amarrada no braço dele para que o corpo não emergisse das águas.

Até o momento, a motivação do crime não foi definida, já que o investigado alega que não ter premeditado matar Andrade. Durante as investigações, a polícia informou que tem linhas de possíveis motivações, mas elas não foram reveladas para imprensa.

Tiro acidental

A defesa do suspeito informou que no mês de junho, o médico investigado pelo crime teria dito que uma guia espiritual avisou que ele seria assassinado por dois colegas de profissão. O advogado revelou que a suposta guia, seria a mãe do suspeito.

O advogado acrescentou ainda que o cliente não tinha intenção de mata. Entretanto, a polícia acredita que houve premeditação.

O delegado Roberto Leal, que investigou o caso, confirmou que a mulher teve um sonho meses antes do ocorrido e comentou com o filho, como um alerta, mas garantiu que isso não tem a ver com a morte de Andrade.

Leia também

Compartilhe agora:
Artigo anteriorVoluntárias Sociais da Bahia entregam creche reformada no bairro do Lobato, em Salvador
Próximo artigoPIX terá nova modalidade de Saque e Troco, veja como funciona