Início Destaques Baianos Hebert Conceição e Beatriz Ferreira vão disputar ouro no boxe em...

Baianos Hebert Conceição e Beatriz Ferreira vão disputar ouro no boxe em Tóquio

Baianos Hebert Conceição e Beatriz Ferreira vão disputar ouro no boxe em Tóquio - Foto: reprodução

O sucesso do baianos! O boxe segue dando muitas alegrias ao torcedor brasileiro nos Jogos Olímpicos e, ao lado do skate, é a modalidade que garantiu o maior número de medalhas ao país: três. E parte deste sucesso deve ser atribuída a Beatriz Ferreira (60kg) e Hebert Conceição (75kg). Medalhistas no Mundial de 2019, os pugilistas repetiram a dose em Tóquio.

Vôlei masculino perde para russos e vai disputar o bronze nos Jogos Tóquio 2020 (Vídeo)

Nesta quinta-feira (5), Bia venceu a finlandesa Mira Potkonen, bronze no Rio 2016 e uma das poucas atletas que já havia derrotado a brasileira no boxe olímpico. A agressividade demonstrada desde o início do combate foi determinante para o sucesso de Bia na luta, cuja superioridade foi apontada pelos cinco árbitros.

“Estar no pódio é o objetivo final, mas separamos por metas. É degrau por degrau. Fui alimentando isso, estudando as adversárias e hoje estou feliz aqui, mas ainda não acabou. Tenho isso em mente”, disse Bia, que já projetou a decisão contra a irlandesa Kellie Harrington.

“Queria muito essa luta. Participamos de alguns campeonatos, mas infelizmente não chegamos a lutar. Ela é campeã mundial, tem todo o meu respeito e estou bem ansiosa para esse espetáculo. Espero sair com a vitória e mandar essa medalha para o meu pai”, completou.

Uma hora depois, foi a vez de Hebert Conceição encarar o russo Gleb Bakshi, campeão mundial da categoria em 2019 e algoz do brasileiro na ocasião. Mas Hebert entrou com uma postura totalmente diferente e dessa vez conseguiu sair com a vitória.

“Estava um pouco tenso antes da luta, como sempre fico. Acho que temos que ter essa adrenalina, treinei muito com a minha equipe. Foi bom que consegui reverter mais essa revanche. Peguei uma chave muito dura”, contou o atleta que, assim como Bia, é natural de Salvador (BA).

“A cada luta vamos ganhando mais confiança, o que faz toda a diferença. Seja o evento que for, sempre entro mais travado e, conforme vai passando o tempo, vou ganhando mais confiança. Estou muito seguro para fazer um bom trabalho na final e trazer mais uma medalha de ouro”.

Compartilhe agora:
Artigo anteriorPedro Barros conquista prata no skate park na Olimpíada de Tóquio
Próximo artigoVacinação contra covid-19 em Salvador inclui pessoas com 29 anos e estende horário de atendimento nesta quinta (5)